sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Sensibilidade e Bom Senso de Jane Austen


"Sensibilidade e Bom Senso", o primeiro livro de Jane Austen, publicado em 1811, conta a alegre e satírica história de duas irmãs. A instintiva e apaixonada Marianne e a sensata e mundana Elinor.
Embora o coração impaciente de Marianne a deixe vulnerável aos males de amor, as qualidades opostas de Elinor também não a protegem dos problemas emocionais.
"Sensibilidade e Bom Senso" - um retrato psicológico e social da pequena-burguesia do século XVIII.

A MINHA OPINIÃO:

Sensibilidade e Bom Senso foi uma leitura que me deixou repartida. Apesar de a apreciar bastante não me apaixonei profundamente como eu esperava. A história não me era estranha.Vi a adaptação cinematográfica de Ang Lee de 1995 há alguns anos pelo que me lembrava dos destinos de algumas personagens. Talvez essa foi uma da razões de eu não amar este clássico como milhares e milhares de leitores. Contudo, há que reconhecer o mérito de Jane Austen. Ela faz um retrato perfeito da sociedade inglesa absorvida pela futilidade e vaidade. Uma sociedade que se alimenta de aparências, se intromete na vida alheia como se fosse natural e julga com base no exterior e não no sentimento. Fanny e Mrs Ferrars são o cúmulo deste síndrome. Elas quase que adquirem contornos de caricatura nas mãos da escritora e, às vezes, não sabia se me exasperava ou se ria da sua figura. A obsessão pela estabilidade económica através do matrimónio é um dos objectos favoritos para a sátira de Jane Austen. Frequentemente, o homem é "medido" pelo rendimento que tem. Um dos meus entraves à minha leitura também foi isso, a  enumeração constante de quantas libras vale um homem. São tantas as menções que chega ao ponto da exaustão. Percebo que faz parte da crítica áspera da autora porém, a análise de Austen é tão severa que não há muita margem para o sarcasmo ou humor que certamente, infundiriam a história de mais vida. Quem brilha no livro e me agarrou às páginas foram as irmãs Elinor e Marianne Dashwood. Foi a originalidade das suas vidas que me surpreendeu. Fazendo jus ao título do livro, a mais velha, Elinor é mais sensata e prudente  e Marianne é a mais emotiva e volátil. O seu crescimento ao longo do livro é tão revelador porque nos apercebemos com elas que face ao amor e aos obstáculos da vida, há que existir um compromisso entre os dois mundos, o da sensibilidade e o do bom senso. As irmãs destoam por completo da sociedade por não valorizarem a superficialidade. A história de Elinor e de Edward é encantadora todavia, a que mais marcou foi a de Marianne. Não é tão linear e senti, genuinamente, cada passo da sua tortuosa caminhada.
Assim, Sensibilidade e Bom Senso foi um livro que ficou aquém das minhas expectativas. Não é definitivamente um mau livro, longe disso mas, é parco em divertimento, restringindo-se quase sempre a pintar o quadro da pequena burguesia. No entanto, há que ressalvar que esse quadro é notável e só por isso, é um livro que merece ser lido (quem se atrever!).

4.5/7- BOM**

TRAILER DO FILME:


11 comentários:

  1. Boa critica, bastante construtiva e completa! Gostei! *

    ResponderEliminar
  2. Olá Jojo...
    Eu sou fã da Jane Austen apesar de ainda não ter lido todos os livros dela, sendo este um dos que não li ainda. Mas que tenho cá em casa para ler.
    Não percebi se este era o primeiro romance que lês desta autora, mas se é talvez não começaste pelo melhor.
    Gostei de ler a tua critica, e tens toda a razão quando dizes que o homem é "medido" pela quantidade de dinheiro que tem. Essa característica dela aparece em todos os livros dela (pelo menos em todos os que até agora) e penso que é mesmo caracterização da sociedade inglesa na época bem com tem a ver com a própria vida da autora.
    Se tiveres oportunidade lê outro livro dela, como o Orgulho e Preconceito ou Persuasão (caso não tenhas lido ainda... )
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana,
      sim é primeiro que leio da Austen. Tenho O Orgulho e Preconceito e graças as tuas opiniões planeio dar-lhe uma oportunidade.:)
      Beijinho*

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. este livro não cai no goto de toda a gente. O mais aclamado e amado é Orgulho e Preconceito, os outros vão tendo fãs. Alguns como este às vezes os leitores precisam de tempo para amadurecer a história dentro de si :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Madrigal,
      se calhar é mesmo isso que preciso tempo para que a história amadureça mais dentro de mim. Mas fiquei um pouco desiludida.

      Eliminar
  5. Jojo,
    nunca li este livro e não vi o filme.:)
    Vi Orgulho e Preconceito e achei-o um filme muito interessante. Comentei até com a minha cara-metade que o livro deveria ser muito interessante de ler mas não serei capaz de o fazer após já conhecer a história (e o final). É-me fácil ler os livros, ver os filmes (e ficar desiludido) mas sou incapaz do contrário.
    Talvez gostes deste Orgulho e Preconceito.
    Eu gostei da tua opinião. :)
    Boas leituras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. André,
      Também já vi O Orgulho e Preconceito e achei-o muito bom mesmo. Tenho o livro na estante mas, não vou vê-lo brevemente. Quero que passe algum tempo para me esquecer dos pormenores da história.
      Beijinhos e boas leituras*

      Eliminar
  6. Olá Jojo,

    Desta escritora li Orgulho e Perconceito e foi um livro que gostei bastante e que ouve uma personagem que me deixou completamente surpreendida no final do livro.

    Gostava de ler mais quaquer coisa da escritora mas vejo que este não é a melhor opção ;)


    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiacha,
      eu não te diria para não leres o livro. Lê e tira a tua conclusão. No fundo, o livro até faz um retrato perfeito sociedade de época e é muito instrutivo.

      Beijinhos*

      Eliminar