quarta-feira, 6 de junho de 2012

Kafka à beira-mar de Haruki Murakami

Kafka à Beira-Mar narra as aventuras (e desventuras) de duas estranhas personagens, cujas vidas, correndo lado a lado ao longo do romance, acabarão por revelar-se repletas de enigmas e carregadas de mistério. São elas Kafka Tamura, que foge de casa aos 15 anos, perseguido pela sombra da negra profecia que um dia lhe foi lançada pelo pai, e de Nakata, um homem já idoso que nunca recupera de um estranho acidente de que foi vítima quando jovem, que tem dedicado boa parte da sua vida a uma causa- procurar gatos desaparecidos.
Neste romance os gatos conversam com pessoas, do céu cai peixe, um chulo faz-se acompanhar de uma prostituta que cita Hegel e uma floresta abriga soldados que não sabem o que é envelhecer desde os dias da Segunda Guerra Mundial. Assiste-se, ainda, a uma morte brutal, só que tanto a identidade da vítima, como a do assassino, permanecerão um mistério.
Trata-se, no caso, de uma clássica (e extravagante) história de demanda e, simultaneamente, de uma arrojada exploração de tabus, só possível graças ao enorme talento de um dos maiores contadores de histórias do nosso tempo.

A MINHA OPINIÃO:

Kafka à beira mar de Haruki Murakami é dos livros mais excêntricos que alguma vez li. É também um dos melhores! O escritor nipónico é perito em suscitar questões sobre o nosso propósito  de vida. O livro está cheio de enigmas mascarados de metáforas e de limites alquebrados. As definições são inexistentes e tudo o que julgamos verdadeiro é uma ilusão. A linha do tempo e a que separa a vida da morte é ténue. Tudo é uma caminhada para alcançar o seu "eu". De carácter filosófico e simbólico, Kafka à Beira Mar é estranho mas, ao mesmo tempo, familiar porque se compreendemos a jornada, não entendemos o seu alcance ou a sua natureza. E todas as personagens de Murakami têm uma natureza singular. São completamente distintas do que esperávamos. Não existe "vulgar" ou "banal" no vocabulário do autor. São metamorfoses constantes moldando-se às circunstâncias. No meio, desta estranheza surgem novos acontecimentos peculiares: humanos que falam com gatos, chuvas diluvianas de peixe, sombras incompletas e metades perdidas. É um livro que nos questiona  repetidamente e para encontrarmos todas respostas temos que penar bastante. Algumas questões ficam mesmo pela retórica e jamais serão respondidas porém, aí também reside algum encanto da história. Não há nada de trivial nesta obra de quase seiscentas páginas. Os destinos do jovem Kafka e do velho Nakata estão em rota de colisão, ou assim parece. Um resolverá o outro. Pelo caminho encontramos uma biblioteca belíssima, uma floresta labiríntica e pequenos prazeres de cultura geral que Murakami coloca nos diálogos das personagens: vários poetas, livros, valores tradicionais japoneses e grandes pensadores são mencionados. Brilhantemente, eles não estão lá por acaso. São pequenas ajudas ao leitor que procura ansiosamente conhecer o destino de Kafka e Nakata. É um livro com um início inesperado e um final surpreendente! A leitura não é fácil porque, apesar de ser voraz( no meu caso) não é desprovida de significado e cada página indaga quem a lê. É um livro sobre a eterna busca do "ser" ou do "eu" se preferimos.É uma história enigmática onde a fantasia, não racional, é essencial na construção da identidade da pessoa e no delinear do seu propósito de vida. Kafka à beira-mar não é para todos os paladares literários. Arrisco-me a dizer que é daqueles livros que se ama ou que se odeia! Para mim, foi enriquecedor e delicioso e, naqueles momentos após o final fui novamente assaltada por dúvidas e novos raciocínios surgiram como tentativas de explicação de alguns episódios. Um livro estonteante como só Murakami sabe fazer!

7/7-OBRA-PRIMA


PS: Obrigada N. pela magnifica prenda de Natal!:)

15 comentários:

  1. Belíssimo comentário [inspiração perfeita] e estou completamente de acordo contigo é um livro muito complexo e muito interessante. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada:D e se não fosses tu não o leria tão cedo se não fosses tu. Obrigada pela prendinha:)

      Eliminar
  2. Adoro Murakami! Foi o primeiro que li dele, emprestado e assim que o encontrar a um preço convidativo tenciono comprá-lo para o reler. :)
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. N.Martins, Murakami está a tornar-se num dos meus autores favoritos. A Sul da Fronteira, A Oeste do Sol, o outro livro também é excelente!

      Eliminar
  3. Vim espreitar o teu blog...:)

    Ainda não li nada deste autor, mas com essa opinião fiquei bastante interessada.

    Boas Leituras.

    http://paginassoltas-cc.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Welcome:)
    Também já vou espreitar o teu blogue.

    ResponderEliminar
  5. Olá Jojo,
    Já li este livro há bastante tempo, e gostei, apesar de achar o enredo complicado.
    Agora que li a tua excelente opinião fiquei com vontade de voltar a ele. Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu Teresa pelo comentário!
      É um livro que merece ser relido sem dúvida para encontrar novos significados!

      Eliminar
  6. Fiquei com mais vontade em ler este livro de Murakami. Só li uma obra do autor, "Sputnik, Meu Amor" e já algum tempo que ando para voltar ao autor, com este "Kafka à beira mar".
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tonsdeazul só resta te desejar uma boa leitura! O Sputnik também está na minha estante e será a minha próxima leitura deste autor.

      Eliminar
  7. Adoro Murakami! "Kafka à beira mar", foi o 1º que li dele e desde então tive que lêr tudo o que ele tem publicado... Um escritor fantástico e inigualável. Descreveste muito bem o livro e o escritor, parabens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio:)Um escritor fabuloso mesmo!

      Eliminar
  8. Olá Jojo
    Bom e eu que tenho quase todos os livros deste escritor até tenho vergonha de não ter lido nenhum livro dele. Amei a tua opinião sobre este livro, já li muitas outras opiniões mas garantidamente nenhuma tão bem escrita e tão explicativa como a tua.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  9. Partilhámos esta crítica na nossa página de Facebook! Boas leituras!

    ResponderEliminar