domingo, 19 de setembro de 2010

O Doente Inglês de Michael Ondaatje


Nos derradeiros meses da Segunda Guerra Mundial, reúnem-se numa villa italiana quatro pessoas: uma jovem enfermeira alquebrada que concentra todas suas energias no seu último doente moribundo, em quem adivinhou um mistério " que ele queria aprender, de queria embeber-se, onde queria refugiar-se"...o doente:um inglês desconhecido, sobrevivente de um desastre de avião, cujo espírito navega à deriva numa vida inteira de segredos e paixões... um ladrão "cujos talentos" transformaram num herói de guerra, e numa das sua vítimas... um soldado indiano do exército britânico, perito na neutralização de bombas, a qum três anos de guerra ensinaram que a " única coisa segura é ele próprio"


A MINHA OPINIÃO:


Este livro esteve muito tempo na minha mesa de cabeceira. Tive alguns problemas na sua leitura, o que adiou em muito a publicação da sua crítica. Existem livros que são feitos para serem devorados e outros, para serem saboreados. O Doente Inglês pertence ao último grupo. Demorei mais do que o costume a lê-lo porque é um livro denso e trágico. Porém, trágico não é sinónimo de má qualidade. Pelo contrário, a tristeza pode ser bela, muito bela. Na villa de San Girolamo, vivem quatro pessoas. Quatro vidas que foram trepassadas pela guerra. Hana, Kip, Caravaggio e o misterioso doente inglês partilham a casa que tal como eles, sofreu com o impacto das bombas. Hana é uma enfermeira que cuida de um "possível inglês", cujo corpo foi quase totalmente devorado pelo fogo. A sua devoção a este paciente é muito maior do que a habitual relação enfermeira-doente. Ela idolatra-o. Admira-o pela sua imensa cultura que, ele insiste em partilhar com os restantes moradores da villa. Hana cuida das suas feridas, bebe um pouco do seu saber e lê-lhe livros da biblioteca da casa que apodrece devido à intempérie. O inglês, que mais tarde, descobri se chamar Almásy, vê em Hana, uma ouvinte e a sua ligação ao exterior já que, ele é incapaz de se movimentar. Para Almásy o que resta da sua vida, é a memória de um grande e proibido amor, Katherine e o deserto catografado pelo grego Heródoto. Caravaggio é uma espécie de tio para a Hana. Mutilado pela guerra, física e psicologicamente, ele busca redenção e o que sobra da sua humanidade. Kip, perito em minas, desenvolve uma relação sensual e erótica com Hana. Para ambos, esta pode significar segurança e realidade no meio da irrealidade brutal da guerra. Com histórias dentro da história, este é um livro de amor, sensualidade, sofrimento, guerra, fome e transformação. Sinplesmente magnífico! Para mim, a sua leitura não foi fácil. Mas, ainda bem que a persistência venceu, senão tinha perdido uma grande obra-prima. Se as primeiras páginas foram complicadas, as seguintes tornaram-se indispensáveis! Dos melhores livros que já li! E mais um para valorizar a minha resolução de não abandonar um livro a meio! Nunca se sabe o que está para vir!


7/7-OBRA-PRIMA


O FILME:


The English Patient, é um filme galadoardo com nove Óscares da Academia incluindo, o de Melhor Filme. Realizado pelo genial Anthony Minghella e com interpretações poderosas de Ralph Fiennes, Juliette Binoche, Willem Dafoe e do restante elenco, é um filme sublime. Um clássico que todos deveriam ver!



video

5 comentários:

  1. Olá Jojo!
    Não li o livro, mas vi o filme. Gostei muito e espero vir a ler o livro um dia destes. Realmente é uma história marcante e inesquecível.

    ResponderEliminar
  2. Não li o livro, mas fui ao cinema ver o filme... e saí a meio...
    Foi há bastante tempo, talvez hoje tivesse uma reacção diferente :-)

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do filme, mas não consegui ler o livro. :( Tentei por duas vezes e encravava sempre nas primeiras dez páginas... Como já tinha visto o filme acabei por não insistir na leitura da obra...

    ResponderEliminar
  4. Olá Jojo,

    ainda não li o livro nem vi o filme, mas tenho de mudar isso =)
    Ontem estive a ver um filme com o Ralph Fiennes, por isso hoje tenho andado a fazer pesquisas e voltei a encontrar este filme (sabia da sua existência desde que saiu), despertando aquela curiosidade que me faz querer conhecer as histórias =D
    A tua opinião ainda me deixou mais curiosa!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria Rita!
      O filme é maravilhoso! O livro é mais difícil de entrar na história mas também é uma grande obra.

      beijinhos

      Eliminar