sábado, 3 de julho de 2010

O Braço Esquerdo de Deus de Paul Hoffman


A sua chegada foi profetizada. Dizem que ele destruirá o mundo. Talvez o faça...
"Escutem. O Santuário dos Redentores, em Shotover Scarp, é uma mentira infame, pois lá ninguém encontra santuário e muito menos redenção."
O Santuário dos Redentores é um lugar vasto e isolado - um lugar sem alegria e esperança. A maior parte dos seus ocupantes foi levada para lá ainda em criança e submetida durante anos ao brutal regime dos Redentores, cuja crueldade e violência têm apenas um objectivo - servir a Única e Verdadeira Fé. Num dos lúgubres e labirínticos corredores do Santuário, um jovem acólito ousa violar as regras e espreitar por uma janela. Terá talvez uns catorze ou quinze anos, não sabe ao certo, ninguém sabe, e há muito que esqueceu o seu nome verdadeiro - agora chamam-lhe Cale.
É um rapaz estranho e reservado, engenhoso e fascinante. Está tão habituado à crueldade que parece imune a ela, até ao dia em que abre a porta errada na altura errada e testemunha um acto tão terrível que a única solução possível é a fuga.
Mas os Redentores querem Cale a qualquer preço, não por causa do segredo que ele sabe mas por outro de que ele nem sequer desconfia.
A MINHA OPINIÃO:
O Braço Esquerdo de Deus é um livro rude e cru. É um reflexo da personagem principal, Thomas Cale. Cale é um acólito no Santuário dos Redentores. É treinado na violência para servir fielmente e até à morte a sua religião. Anos e anos de terror, dor e sofrimento criaram um jovem que sem saber abrirá uma porta e deparar-se-á com um espectáculo inominável. Cale, frio e calculista, deixa-se toldar pela emoção e comete um acto de bondade desrespeitando todas as leis do Santuário. A fuga é a única saída. Partem com ele, Henri Vago e Kleist, dois outros acólitos. Em Memphis, cidade rainha do Império Materazzi, eles conhecem um mundo novo, novos aliados e novos inimigos. Todavia, o Redentor Bosco inicia uma perseguição frenética. Cale possui um segredo que ele próprio desconhece. É um livro que prima pela acção que o torna bastante envolvente.Foi classificado como fantasia mas, é visivelmente distinto. Esqueçam as criaturas sobrenaturais e os seres mágicos não os encontrarão nesta primeira obra de Hoffman. Difere do nosso mundo é certo, porém, contém referências facilmente reconhecíveis a momentos, a religiões, nomes que nos soam familiares. Cale é claramente, um herói ( ou será anti-herói?) em ascensão. Sendo que no final, muitas questões ficam sem resposta aguardando pelas páginas esclarecedoras do segundo volume. É viciante e a adrenalina é constante! A escrita de Hoffman é sincera e há pouco espaço para os eufemismos. Sangrenta, cruel e perturbadora. Como falhas aponto apenas alguma falta de vivacidade e de o facto da história de Cale me lembrar de outras histórias lidas. Contudo, não deixa de ser um bom livro e boa alternativa para quem procura uma leitura do género fantástico diferente desprovida de vampiros, anjos, elfos, feiticeiros etc.
EXCERTO:
"A vida é uma viagem para pessoas como tu e eu, uma viagem em que nunca sabemos se vamos pelo nosso caminho. Vemos um novo destino enquanto viajamos, e outro melhor, e outro, e assim por diante até que o lugar para onde nos dirigíamos no início fica completamente esquecido. Somos como alquimistas: começam à procura de ouro, e pelo caminho descobrem remédios utéis, e uma maneira sensata de ordenar as coisas e o fogo de artíficio... a única coisa que não descobrem é o ouro!"
4/5- BOM

TRAILER DO LIVRO:
video

9 comentários:

  1. Gostei da tua opinião, eu gosto de livros assim, e adorei o livro, comprei-o e li mal saiu à venda! =)

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Oi, Jojo!!

    eu quero muito ler esse livro, mas vou esperar sair os outros volumes. Não quero ficar sofrendo... rsrsrs

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  3. Oii!! Primeira vez que entro no blog...gostei mto =D

    Sobre o livro...ainda não conhecia mas depois de ler a resenha fiquei com vontade de ler *.*

    ResponderEliminar
  4. Olá Jojo,

    Fiquei contente ao ler a tua opinião. Gostei muito do livro e nem todas as opiniões que tenho encontrado pela blogosfera são simpáticas como a tua. Ainda bem que gostaste do livro... Agora é aguardar pelo volume seguinte. x)

    Beijinhos e boas leituras
    Patrícia

    ResponderEliminar
  5. Ainda não comprei, mas está em minha wishlist!

    Gostei de tua resenha, deu mais vontade ainda de ler.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  6. Também fiquei curiosa quanto ao livro...mas estou com uma prateleira cheia, entulhada mesmo e não consigo ler, tamanha a quantidade de textos que estou corrigindo...mas nas férias...[promessa...kkk] abraço

    ResponderEliminar
  7. Já tinha pensado arranjar o livro, mas agora com a tua opinião ainda me deu mais vontade!

    Gostei muito do blog..vou seguir..
    Se quiseres dá uma vista de olhos ao meu: http://www.kelaraparigadoslivros.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Bem... Eu não tinha ideias de comprar este livro... mas deixaste-me na dúvida agora...

    Vou esperar um bocadinho que a minha lista diminua, e vou experimentar :)

    ResponderEliminar
  9. Gostei. É um livro cruel e sujo, pintado em tons de cinzento.

    Só é pena que a acção se tenha centrado tanto em redor do anti-herói Cale, mas pode ser que nos próximos volumes isso mude... Pessoalmente, gostei muito mais de Henri Vago e Kleist, do que de Cale.

    http://cronicasobscuras.blogspot.com/

    ResponderEliminar